quarta-feira, 13 de maio de 2015

Análise de excerto do capítulo XXIII - Memorial do Convento

Proposta de correção do Manual – Expressões – Porto Editora – p. 317

  1. O excerto corresponde aos momentos finais da ação de Memorial do Convento. No dia da sagração do convento de Mafra, Blimunda, que fora com os cunhados ver as celebrações, decide partir à procura de Baltasar. Através do processo narrativo do sumário, o narra- dor relata, em poucas linhas, o percurso de Sete-Luas até encontrar Baltasar num auto de fé, nove anos depois de iniciadas as suas buscas.

2.     Partindo na sua jornada com a alma “negra” como a “noite”, com receios e saudades de Baltasar, Blimunda só considerará como “boa viagem” (l. 13) a que desencadeia para encontrar Baltasar “Se o encontrar” (l. 13).

3.      Blimunda sente uma força maior agindo sobre si sempre que tenta alimentar-se. O pressentimento de que deverá ficar em jejum acaba por confirmar-se quando depara com o auto de fé em que Baltasar é supliciado, pois necessitaria, finalmente, de olhá-lo por dentro e de recolher a sua vontade.


Análise de excerto do capítulo XVI - Memorial do Convento

Proposta de correção do Manual – Expressões – Porto Editora – p. 314

  1. Ida de Scarlatti à quinta, viagem na passarola simultânea com as buscas do Santo Ofício em casa do padre Bartolomeu e com a caminhada de regresso de Domenico Scarlatti.

  1. Ao ver a passarola, em que não pôde seguir, o músico “acena com o chapéu, uma vez só” (l. 16), disfarça e finge não conhecer os que nela viajam para não denunciar a sua ligação ao projeto. Caso algo corra mal, não levantaria suspeitas sobre si próprio.

Análise de excertos do capítulo XIV - Memorial do Convento

Proposta de correção do Manual – Expressões – Porto Editora – p. 312

1.1. Domenico Scarlatti dirige-se ao padre Bartolomeu, começando por falar das construções de D. João V para, logo em seguida, introduzir a temática que desperta o seu interesse e razão pela qual procura o clérigo: a construção de um engenho voador.

2. O narrador alude aos jogos estilísticos típicos da literatura da época barroca, em que o sentido das palavras era frequentemente ofuscado pelas construções cultistas e conceptistas.

3. O músico consegue levar o padre Bartolomeu a revelar-lhe a passarola ao colocar em causa a hipótese de ser possível voar, pois, segundo ele, “só a música é aérea” (ll. 21-22).